Singular_Terceira Pessoa (1)

+ FESTIVAL

“SINGULAR” é um ciclo de criação artística pluridisciplinar da Terceira Pessoa que propõe uma programação caracterizada pelo cruzamento de várias disciplinas artísticas e composta por objetos artísticos que resistem a qualquer tentativa de categorização imediata.
Pensado para acontecer na Fábrica da Criatividade de Castelo Branco – novo espaço dedicado à criação artística e a projetos na área das indústrias criativas onde diferentes agentes de áreas artísticas e performativas diversas se cruzam e colaboram – as propostas de programação do ciclo propõem uma forte componente urbana, contemporânea e experimental. O ciclo procura de forma única e SINGULAR, a experimentação como expressão de liberdade criativa e crítica, enquanto ferramenta potenciadora de dinâmicas inovadoras do pensamento individual e colectivo.

+ OBJETOS SUI GENERIS

De carácter experimental e participativo, SINGULAR motiva a apresentação e partilha de objetos sui generis que procuram provocar o território e as especificidades socioculturais da região de Castelo Branco.

+ ARTISTAS SINGULARES

Acontecendo no último trimestre de cada ano, o ciclo SINGULAR propõe que sejam apresentados objetos artísticos em cada mês, perfazendo um total de 6 apresentações por ano.
A primeira edição deste novo ciclo, no ano de 2020, inclui artistas e projetos como Os Espacialistas, Sara Vaz e Marco Balesteros, João Dias, Sonoscopia e coletivos como LAMA – Laboratório de Artes e Média do Algarve e Um Coletivo. Adicionalmente, será realizado o workshop de dramaturgia “en·sai·o” de Ricardo B. Marques, que propõe aos participantes um deslocamento do seu olhar para coisas que, habitualmente, não fazem parte do seu modo operativo.
Em todos os casos falamos de coletivos e artistas com percursos e propostas diversas entre si e que normalmente não têm a oportunidade de se apresentarem nesta zona do país.

+ DINÂMICA COLABORATIVA

Com este ciclo procura-se estimular um movimento de valorização e desenvolvimento cultural fora dos grandes centros, através da apresentação de linguagens artísticas de índole assumidamente contemporânea, apresentando um programa de artistas com visões singulares sobre o mundo e a contemporaneidade. O ciclo desenrola-se numa dinâmica colaborativa e participativa, promotora do acesso à cultura, numa relação assente no diálogo.

+ CRUZAMENTOS DISCIPLINARES

O cruzamento multidisciplinar das diferentes manifestações artísticas e da diversificação dos modos de estabelecer uma relação com a cultura, designadamente através da fruição e da participação cultural, proposto pelo ciclo SINGULAR, reclama um olhar renovado sobre as formas de intervenção artística e sobre o conceito de democratização cultural.